December 30, 2010

Filed under: De bem com a vida,Vidinha — Maria Fabriani @ 20:20

O mundo é injusto

Depois de Max, agora é a minha vez. Estou com catapora. Bolinhas vermelhas no corpo todo, na boca (dentro e fora), na barriga etc. Um saaaaaaaaco. Detesto ficar doente. Detesto.

No mais, tem feito dias gelados aqui onde eu moro. Dizem que é o mês de dezembro mais frio desde 110 anos. Estou preparada pra concordar, mesmo que só tenha morado aqui nos últimos nove anos.

Com essa coisa da catapora, que apareceu ontem, apesar de eu já estar me sentindo meio maus há uns dias, nossos planos de final de ano tiveram de ser cancelados. Já disse que detesto ficar doente? Pois é.

E parece que vários suecos foram presos em Estocolmo por planejar um atentado terrorista na Dinamarca. O plano era entrar no jornal que publicou as caricaturas do profeta Mohammed e sair atirando.

Eles é que deviam ter pego catapora, não eu. Injustiça!

A palavra em sueco do dia é vattkoppor, catapora.

Filed under: Europa & Escandinávia,Irritação e ironia,Vidinha — Maria Fabriani @ 14:53

December 24, 2010

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 07:07

December 13, 2010

Atentado terrorista

Como vocês todos sabem (a menos que tenham passado o final de semana numa ilha deserta), um rapaz sueco de origem iraquiana se matou no coração de Estocolmo, a poucos metros da rua mais movimentada da capital, Drottninggatan. Foi o primeiro homem-bomba a agir em solo escandinavo. Duas pessoas se feriram, mas nada grave.

A explosão foi relativamente pequena, explicaram os especialistas. O rapaz, ao que parece, planejava se explodir num local muito mais populoso, na estação central ou no meio da drottninggatan, mas parece que uma das bombas explodiu antes do tempo. O carro dele, estacionado há metros dali, também explodiu.

Agora começam as especulações. A Suécia já foi palco de uma ação terrorista: o grupo Baader-Meinhof explodiu a embaixada da Alemanha Oriental em Estocolmo em abril de 1975. Mas dessa vez as coisas são diferentes. O rapaz que se explodiu completaria 30 anos ontem, era casado, tinha duas filhas e morava num apartamento na pequena cidade de Tranås, no interior sueco.

Os britânicos informaram à polícia secreta sueca, cujo nome é, pasmem, Säpo (pronuncia-se séépo) que estavam investigando o rapaz. A razão é que ele morou em Luton, perto de Londres, e estudou na mesma universidade dos rapazes que se explodiram no ônibus e no metrô da capital britânica em 2005.

Ontem na TV, representantes da comunidade muçulmana estavam muito preocupados com a repercussão do ato terrorista. O ambiente, já complicado para quem tem raiz árabe, vai ficar ainda pior. Não se sabe ainda o quanto pior, mas melhor é que não vai ficar.

Os suecos ainda não estão acreditando que isso aconteceu aqui. A minha impressão é que alguns nativos têm dificuldade de aceitar que o país não é mais homogêneo, que as coisas mudaram. E mudaram mesmo. Desde o início da guerra do Iraque, em 2001, a Suécia recebeu mais refugiados iraquianos do que qualquer outro país do mundo. Se não me engano, a colônia iraquiana já completou 50 mil pessoas (muitíssimo mais do que os EUA inteirinho.)

Imagina como é que vai ser a vida dessas pessoas a partir de agora?

A palavra em sueco do dia é självmordsbombare, homem-bomba (mais ou menos).

Filed under: Europa & Escandinávia,Notícias do primeiro mundo — Maria Fabriani @ 12:08

December 7, 2010

Oh, céus!

Fomos deixar Max na escolinha agora de manhã. Num quadrinho de mensagens estava escrito: ”Atencão, temos piolho, catapora e lombriga na escola”.

A palavra em sueco do dia é hårresande, arrepiante.

Filed under: Max e a maternidade,Vidinha — Maria Fabriani @ 08:13
 

Bad Behavior has blocked 1052 access attempts in the last 7 days.