August 28, 2005

Fim de verão

Pega no flagra!

A palavra de hoje é saudade.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 15:31

Hotel Rwanda

taggtrad.gifAssistimos ao filme Hotel Rwanda ontem à tarde e eu ainda estou pensando nas coisas que vi, na realidade que não fazia idéia existia. O filme é espetacular. Meu maior medo, de que veria a violência gráfica causada por facões e machadinhas, não se realizou. Mas, se por um lado quase não se vê sangue, por outro a violência e o ódio entre iguais são evidentes - e chocantes.

Agora, foi roubalheira o Don Cheadle não ter ganho o Oscar de melhor ator. Ele é fenomenal. Mas o melhor do filme é, além da história de solidariedade do protagonista, o retrato da ausência de interesse das Nações Unidas em ajudar o povo tutsi, que foi massacrado em dias pelos hutus no verão de 1994. Ficamos, eu e meu urso, boquiabertos com a atitude indecente dos europeus durante o conflito. Que vergonha!

Me lembro que estava estagiando no Globo nos primeiros meses de 94. No segundo mês trabalhei na editoria de Internacional. O trabalho se resumia a sentar na redação e a redigir, com a ajuda de notícias das agências internacionais, matérias completas e claras sobre os assuntos mundiais. Me lembro nitidamente que trabalhei muito em textos sobre o conflito em Rwanda, mas confesso, com vergonha, que para mim a carnificina africana não passou de um exercício estilístico.

A palavra em sueco do dia é att skämmas [att chémas], envergonhar-se.

Filed under: Cinema e televisão — Maria Fabriani @ 10:33

August 27, 2005

De volta

…e acabaram as férias do Montanha. Who am I kidding? Adoro isso aqui e não dá pra ficar longe, nem quando o mundo vem abaixo em diversas áreas da sua vida, você está prestes a deixar sua casa para enfrentar mais um ano longe do urso amado (e agora marido) e chove. Se bem que hoje está o maior sol lindo de morrer. :c) Paulo Coelho* diria que o universo está conspirando para me jogar a diante, longe da minha zona de conforto, à frente e avante! Então tá. Lá vou eu.

Mas, antes: Alugamos ontem dois filmes na locadora, “Kinsey”, com o gostosão do Liam Neeson; e “Hotel Rwanda”, que ainda não assistimos. O “Kinsey” foi interessante e divertido, porque conta como esse homem interessado por insetos divisou o maior estudo sobre a sexualidade humana até hoje. Eu não sabia que o team do Dr. Kinsey tinha um papel, digamos, ativo na pesquisa… :c) Bacana.

Agora vamos sair para mais um de nossos passeios, um dos últimos antes do ano começar (sim porque o ano aqui só começa depois do verão, assim como no Brasil só começa depois do carnaval). Update :: Acabamos de voltar de Luleå, onde havia festa na rua principal (que é fechada ao trânsito), com tendas de rádios, karaokê infantil e até ópera. Almoçamos/jantamos por lá e chegamos em casa agora. :c)

* E eu li “O Alquimista”! Esqueci de escrever lá no LivrosLivrosLivros!

A palavra em sueco de hoje é tillbaka [tillbóóca], de volta.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 11:48

August 26, 2005

Escolhas

E porque sempre há uma escolha a ser feita na vida, escolho não deixar minha sensação de surpresa e desapontamento tomar conta; me nego a sofrer pelas dificuldades alheias. Depois de muito pensar, não acho que tenha feito algo de errado ou deixado de fazer algo certo. Mas, o mais cruel dessa coisa toda é exatamente a impossibilidade de saber o que aconteceu. Depois da pergunta, da curiosidade amiga, o silêncio. Isso não se faz.

E ontem foi um dia ótimo. Saímos pela manhã em direção à casa da minha sogra, que nos esperava feliz. Urso montou a churrasqueira e instalou iluminação na estante nova (sogra se mudou durante o verão). Eu fiz quase nada, mas ajudei a limpar tudo depois do jantar. Sobremesa: sorvete de framboesa. :c) Demos uma volta no quarteirão, nós três, e vimos a chuva cair até tarde. It turns out you don’t need much to be happy.

Hoje chove e o céu está cor de chumbo. Mas tudo bem, afinal, é sexta-feira. Teremos jantar caprichado (achamos um arroz temperado que promete), dengo e tals. Meu urso está em casa e eu me sinto realmente bem. Além disso, uma das pessoas mais delicadas que “conheço” recebeu um presente e tanto. Carola, minha querida, parabéns pela novidade. Estou aqui torcendo por você. Beijocas e muita saúde!

A palavra em sueco do dia é val [vóól], escolha.

Filed under: Elucubrações — Maria Fabriani @ 08:19

August 25, 2005

Difícil

Uma das coisas mais complicadas da vida é o relacionamento humano. Quando a gente acha que está agradando, está, na verdade, fazendo papel de bobo. Quando adora uma pessoa e diz, honestamente, uma coisa para ajudar está, na verdade, invadindo a privacidade dela. O relacionamento de amizade e/ou parentesco representa também uma série de expectativas. Não corresponder às expectativas (suas ou dos outros) representa inevitavelmente frustração.

Você espera que a pessoa continue a se comunicar como antes; você acha que nada mudou, mas como saber? O pior de tudo é o silêncio magoado, de quem não ousa dizer o que sente - ou simplesmente não consegue organizar seus pensamentos o suficiente para explicar o que está acontecendo. Enquanto isso, você fica lá, achando que é uma merda ambulante.

Aí, de repente, acontece alguma coisa e você está numa boa, achando que a pessoa vai estar feliz por você. Mas, devido à circunstâncias da vida da pessoa, ela simplesmente recebe a sua notícia como uma humilhação - pra ela. O mesmo acontece quando tentamos agradar amigos ou parentes. Simplesmente não dá pra saber como a opinião/conselho/texto será recebido. E quando você se choca com a reação do outro, você é super-sensível ou, em outras palavras, um chato.

Por isso, prometo de agora em diante não mais escrever emails pra ninguém perguntando se está tudo bem, não ligarei pra ninguém com o mesmo motivo, não darei mais notícias pra quem acha que sou uma chata super-sensível e intrusiva e, tenho a impressão, minha vida ganhará em qualidade.

A palavra em sueco do dia é beslut, decisão.

Filed under: Elucubrações — Maria Fabriani @ 09:52

August 23, 2005

Passeio no bosque

mark_mossa.jpg

A-D-O-R-O o musgo no chão da floresta. Clique e amplie.

lingon_field_detalj.jpg mark_svamp1.jpg svampao_lingon.jpg

A primeira foto (esq. para a dir.) é lingon, mais uma frutinha silvestre que os nativos catam nas florestas. O sabor é ácido e, claro, tem muita vitamina C. Aqui come-se o lingon em forma de geléia, com mooooito açúcar, geralmente como acompanhamento de pratos de carne em geral e alce em particular. Já provei e gostei. A segunda e a terceira fotos são cogumelos, uma outra mania nacional. Agora, não me perguntem o nome desses daí que eu não faço idéia.

Passamos o dia de ontem andando por Boden. Saímos de carro para fazer as comprinhas da semana (pouquinha coisa, leite, pão etc) e acabamos alugando o DVD do filme “Lemony Snicket’s A series of Unfortunate Events”. Resolvemos sentar num banco de parque para tomar um sorvete. De lá, dirigimos para fora da cidade, em busca de uma floresta para caminhar. Andamos, andamos, eu tirei fotos, colhi lingon, vi muitos cogumelos e meio que me senti no meio de uma fábula do La Fontaine.

Fotos novas.

A palavra em sueco do dia é saga [sóóga], saga.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 12:43

August 22, 2005

Moda, amor e palavras

Sou uma criatura que não gosta de modas. Tenho a impressão de que preciso observar várias pessoas tentar primeiro, para só depois, com calma, ver se é alguma coisa pra mim. O que, aliás, é estranho, porque na vida geral sou exatamente o oposto disso, me jogo antes e penso depois… Anyway, apesar dessa demora, tenho sim a capacidade de adotar novidades - apesar de sempre estar unfashionably late.

A última foi o tal do feeding (não, não dá pra escrever em português), com o qual, a partir de uma única página leitora, fico sabendo se os blogs e sites que gosto de ler foram atualizados ou não. É uma bênção. Cadastro lá tanto os news sites que mucho me gusto como a grande maioria de vocês, camaradas blogueiros. Existem páginas pessoais, no entanto, que não têm um feeding, o que é uma pena. Feeding, já! Vai , meu filho! É indolor.

olho_peq.jpg

O querido André Machado, escritor, jornalista, blogueiro e gente de primeira categoria, escreveu uma matéria muito interessante sobre o Amor na Internet. André ouviu muitos internautas (ahhh, essa palavra já tá mais pra lá do que pra cá), entre eles yours truly e até o psicanalista Alberto Goldin. Está muito legal, viu. Recomendo. Como o Globo pede cadastro e uma série de chatices sem fim, copiei o texto do André prum documento Word. Quem quiser ler, tá aqui.

olho_peq.jpg

Nas minhas andanças pelos sites da vida, descobri mais uma jóia: o blog de um jornalista parisiense que foi morar no Rio. Acho fascinante a maneira como Olivier Hensgen enxerga o modo de vida, os trejeitos e, principalmente, os defeitos de quem mora na minha cidade (e no meu país). O nome é Carnet Carioca e é um delícia. Tem foto panorâmica da Lagoa Rodrigo de Freitas com o texto: “Quantas metrópolis possuem vistas comparáveis?” e duas fotos da praia, com o gol do futebol de areia demarcados por dois chinelos de dedo e, do outro lado, dois côcos verdes enterrados na areia.

olho_peq.jpg

Não sei se vocês repararam (well, alguns o fizeram e até me mandaram emails furibundos a respeito) mas eu ando meio de mau com a língua portuguesa. À medida em que meu urso melhora seus conhecimentos e não comete mais tantos erros de concordância, vou perdendo terreno, me esqueço de palavras, de suas grafias, do que elas querem dizer. E o pior é que nem posso colocar a culpa nas minhas leituras, predominantemente em línguas estrangeiras, porque ganhei uma porção de livros bacanas em português nesse verão.

Tem vezes que meu cérebro dá um nó; a palavra que quero escrever desaparece e fico apenas com a versão em sueco ou inglês a borbulhar na minha frente. E juro que não estou besta ou metida. Estou, na verdade, mais pra desesperada porque obviamente meu português se deteriora a olhos vistos, enquanto o sueco ou o inglês não melhoram mais do que o normal. Por isso, começo aqui a campanha: “Dê um Dicionário Aurélio Online pra Maria Fabriani”. Só serve online e a última versão, por favor. :c)

A palavra em sueco do dia é måndag [môôndag], segunda-feira.

Filed under: De bem com a vida,Maria fala francês — Maria Fabriani @ 11:36

August 20, 2005

Anoitecer

Paisagem
Noite de hoje em Boden. Exatamente às nove horas.

Céu rosa, geral Céu rosa, detalhe
Noite de ontem em Boden. Lá pelas oito horas.

A palavra em sueco do dia é himmel [rrímel], céu.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 17:58

August 19, 2005

Trivial variado

Parece que o governo socialista sueco vai perder nas próximas eleições, marcadas pro ano que vem. Desemprego, economia devagar-quase-parando, welfare decaindo de qualidade são as razões principais. Segundo pesquisas de opinião, se a eleição fosse hoje, os vencedores seriam os moderados, um partido de direita, equivalente, talvez, a uma mistura de PSDB com o PFL. O líder do partido e provavelmente o novo primeiro-ministro, chama-se Fredrik Reinfeldt (foto ao lado) e vem ganhando respaldo junto à opinião pública não apenas por suas idéias, mas também por seus olhos, grandes e castanhos, que a população em geral (mas principalmente as mulheres) acha um charme danado. Tsc…tsc…tsc.

Fiquei simplesmente impressionada com a nova versão do assassinato de Jean Charles, veiculada pela TV e pelos jornais ingleses nessa semana. A BBC News fez uma matéria sobre as discrepâncias da versão oficial e da versão “das internas”, a que não veio a público. Se isso for verdade mesmo, estamos diante a um escândalo envolvendo a polícia britânica. E eu fico apenas pensando nesse pobre rapaz, que desespero que ele não deve ter sentido?

E ontem, depois de fofocar por mais de uma hora no telefone com a Ka, me dei conta que estava muitíssimo mais relaxada e animada. Talvez a explicação seja a descoberta de David Sloan Wilson, um professor de biologia e antropologia na State University de New York em Binghamton e autor de “Darwin’s Cathedral”, um livro sobre evolução e comportamento de grupos. Ele diz que a fofoca nunca foi levada a sério por cientistas que estudam os relacionamentos humanos. Agora, sabe-se que falar mal e/ou comentar o que a fulaninha anda aprontando é uma atividade socialmente importante.

“A fofoca parece ser uma interação sofisticada e multifuncional, que é importante para o controle do comportamento dos membros do grupo”, explica Wilson. Quando duas pessoas se encontram para trocar inside information sobre uma terceira pessoa, eles estão passando importantes pedaços de informação adiante, num processo que lembra os métodos de grooming que sociedades primitivas exerciam para ajudar na socialização de seus indivíduos (N.E.: vide macacos e a cata de piolhos).

Uma pesquisa realizada em habitantes de ilhas do Pacífico, crianças americanas, assim como moradores de áreas rurais de Newfoundland e do México, entre outros, confirmou que o conteúdo e a freqüência em que se pratica a fofoca é universal: as pessoas devotam de 1/5 a 2/3 de suas conversas diárias aos mexericos. Homens são tão ou mais devotados à atividade de “passagem de informação adiante” do que as mulheres. (Fonte: NYTimes - precisa ser cadastrado)

E você, sabe da última? Nem te conto… :c)

A palavra em sueco do dia é skvaller [squaler], mexerico.

Filed under: Variedades,Vidinha — Maria Fabriani @ 09:43

August 18, 2005

*Puff*

Cara, tava com um post na cabeça, já com frases feitas, tudo organizado e, *puff!*, sumiu, desapareceu, ninguém viu. Esqueci de tudo, não apenas do assunto, mas das frases que não tive tempo de escrever. Meu urso chegou, o telefone tocou, a chuva caiu, e meu pobre cérebro não agüentou o rojão. Agora estou aqui, fazendo hora, tentando lembrar, enquanto Tico e Teco correm que nem loucos de um lado pro outro dentro da minha mente, tentando reatar os neurônios cansados.

Minha esperança de lembrar sequer o assunto é remota. Da próxima vez que estiver assim, com a cabeça enrolada numa idéia, prometo que não ouvirei nada, nem o “eu ti amo meu lindenha” que, na boca do meu amado fica uma gracinha, nem o barulho do telefone, nem a chuva batendo na janela. Mudando de assunto (pra dar tempo pros neurônios se recuperarem), hoje bati um papo de mais de hora com Ka, minha querida amiga. É páreo duro pra descobrir quem fala mais. :c)

E, claro, como sempre acontece quando nos falamos, chegamos a uma conslusão sociológica muito profunda: que os homens europeus são uns gastadeiros de primeira categoria. E isso, acreditamos nós, não se deve a qualquer falta de caráter dos ditos cujos, mas de uma história de felicidade político-econômica sem precedentes de seus respectivos países. O chamado welfare é maravilhoso, mas mima o indivíduo que se torna incapaz de, por exemplo, poupar uma graninha. Vai lá ler que vale a pena.

Eu, me preparando pra recomeçar as aulas da universidade, mandei um email pro professor responsável pelo primeiro curso do quarto semestre. Escrevi perguntando qual dos seis livros obrigatórios da lista de bibliografia devo comprar e quais os que posso apenas pegar emprestados na biblioteca. Faço isso sempre que inicio um curso novo para poder programar meus gastos.

Ele, muito simpático, respondeu assim:“Oi Maria! Espere para comprar livros. Você receberá muita informação no primeiro dia de aula e poderá, então, decidir quais comprar e quais pegar emprestado. Espere um pouco, não tenha pressa.” E eu respondi: “Oi Mehdi! Olha, eu quero comprar os livros o mais rápido possível, já que tenho uma personalidade obcessiva. :c) Mas ok, eu espero.” Ah, disse qual o nome do curso? Introdução à Psiquiatriaahhn???

As palavras em sueco do dia são Piff och Puff, Tico e Teco.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 17:39
Next Page »
 

Bad Behavior has blocked 1078 access attempts in the last 7 days.