September 30, 2003


Work like you don’t need the money.

Love like you’ve never been hurt.

Dance like nobody is watching.

~ Mark Twain ~

Filed under: De bem com a vida — Maria Fabriani @ 22:01

September 29, 2003

Dois em um

Às vezes fica claro pra mim que me divido em duas. Por um lado minha energia flui leve e fácil, as coisas acontecem, sou consciente dos meus atos e de suas conseqüências, assim como do que preciso fazer para ficar contente comigo mesma. Sei disso e faço de tudo para alcançar essa satisfação.
Por outro lado, tem dias que é difícil me agüentar. Continuo sabendo o que é necessário fazer para ficar feliz mas tenho uma dificuldade incrível para fazê-lo. É como olhar pruma maçã que está na sua frente. Você está com fome. O normal seria esticar o braço e pegar a fruta. Mas você não faz isso.
E aí começa a chateação. Por quê você não faz o que sabe ser necessário? É simples, né? É, é simples mesmo. Mas esse meu lado complicado apresenta uma lista de razões que fazem o movimento de esticar o braço pra pegar a maçã parecer pior do que correr uma maratona.
Ao mesmo tempo em que quero mandar às favas as razões que me impedem de fazer o que é necessário para ser feliz, sei que preciso desses impedimentos, dessas dúvidas. Elas são parte de mim e me definem. O pior é isso.
Será que quando a gente fica mais velha isso melhora? Costumava pensar que sim, mas acho que só se sai dessa lenga-lenga complicada quando se deixa de lado os perigos psicológicos e se aposta numa vida mais direta e descomplicada. O que quero dizer é: todas as pessoas “profundas” que conheço são infelizes.

Filed under: Elucubrações — Maria Fabriani @ 11:07

September 27, 2003

Perseverança

Li esse post no blog da Rosana Hermann, de quem já gostava na TV e passei a adorar depois que conheci o Querido Leitor. O texto abaixo é meio velho (mais ou menos um mês), mas sempre volto a ele quando penso em desistir. Isso acontece quando leio e estudo sueco que nem uma obcecada e nas ocasiões em que vou dizer alguma coisa mais complicada as palavras somem, quando olho pela janela e nem as cores lindas do outono me fazem esquecer que o invernão está ali na esquina, ou quando meu coração aperta de saudades. O texto da Rosana é bacana porque é uma ode à perseverança. Quando você estiver quase desistindo, pense na manteiga! :c)

Manteiga
(…)
O dia está sendo de muita lucidez. Não sei o que é. Mas vou mudar os rumos da minha vida a partir de hoje.
Tenho visto, ouvido, aprendido, absorvido e está acontecendo um processo, do jeito que eu mesma sempre descrevo: o processo da manteiga.
Quem já bateu manteiga sabe como é.
Você se vê ali, batendo um monte de leite. Parece impossível que aquilo vire manteiga, mas você está ali pra isso e vai batendo.
No meio do processo, o braço começa a ficar cansado. Você não acredita que aquilo vá virar manteiga e ainda por cima, começa a sentir um grande incômodo.
Aí vem o processo de questionamento. Por que você vai ficar ali, como uma idiota, de braço dolorido, batendo aquele monte de leite com cara de que não virar coisa nenhuma?
Não tem nenhum sinal de manteiga, continua tudo líquido e branco. A única coisa concreta é o cansaço no braço e a descrença.
E aí, na reta da desistência, você se irrita e, com raiva, bate mais e mais e mais.
Aquele leite branco e líquido.
E não se sabe como, ou porquê, numa meia volta da batida, subitamente…
plaft!
TUDO VIRA MANTEIGA.
MANTEIGA.
De uma vez.
E aí, você esquece o cansaço e a descrença, diante daquele milagre.

Alguma coisa está acontecendo hoje, com essa aproximação de marte.
Pode trazer o pãozinho fresco.
A manteiga, está pronta.

Filed under: Elucubrações — Maria Fabriani @ 17:59

September 26, 2003

Algumas coisas

Estou escapando do meu próprio controle pra escrever aqui um bocadinho. Saudades. :c) Hoje, finalmente, o presente que comprei pra Stefan para comemorar nossos quatro anos juntos chegou: um DVD do “Saving Private Ryan”, com dois discos, horas e mais horas de cenas extras, entrevistas e outras firulas mais. Sei que meu urso polar vai amar porque ele já tinha dado milhares de indiretas de que queria o DVD desse filme. :c)
Ia mesmo comentar a beleza de “julgamento” da nigeriana Amina, como lembrou o Altino nos comentários do post de ontem. O único problema, Altino e demais, é que apesar do julgamento formal ter sido em favor dela, o julgamento social não o foi e nem nunca será. Amina pode ter se livrado de ser enterrada no chão até os ombros e apedrejada até a morte, mas ela não será imune ao “gelo” social de que será vítima o resto de sua vida.
Bom, só pra quem gosta de saber notícias do polo norte: já está nevando em várias cidades suecas, todas, no entanto, mais próximas dos fiordes (fronteira com a Noruega). O que não é o caso de Boden, thank God, que fica quase que na costa. Mesmo assim, hoje de manhã, às sete horas, o termômetro aqui de casa marcava quatro graus positivos. Vi pela janela a chamada frosten (=camada de gelo branquinho - seria a nossa geada?) nos telhados das casas e nas árvores.

Filed under: Aniversários,Variedades — Maria Fabriani @ 15:23

September 25, 2003

Hoje

Estou de folga do computador hoje (mas escrevo só um pouquinho…).
Vimos na aula de sueco o filme “Romeu e Julieta”, de Franco Zefirelli. Estamos estudando a literatura da Renascença. Vocês precisavam ver a sala de projeção da escola. Um show. Tudo eletrônico. Começo a entender pra onde vão todos as minhas coroas pagas em impostos.
Cansada. Aulas das 8 da manhã às três da tarde.
Acabei de chegar em casa. Quero tomar um banho e vegetar na frente da TV.
Vento e sol. Frio. Outono. Mais ou menos 9 graus.
Ganhei ontem flores e um presente azul.
Graças aos céus que amanhã é sexta-feira.
Estou sem poder visitar meus blogs favoritos. Meu tempo na frente do computador é limitado. Desculpem. Já já me recupero mais e volto ao normal.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 15:44

September 24, 2003

Notícias

Tirei umas feriazinhas daqui porque estava precisando dar um tempo no computador. Meu ombro voltou a doer no final de semana e tive dor de cabeça no sábado e no domingo. Mas já passou. Aliás, fizemos um programa diferente no domingo: fomos à igreja assistir a um concerto de um coro.
Foi muito bonito, apesar do coro ter desafinado na primeira música (nervosismo é fogo mesmo) e da igreja luterana não ser tão linda como a católica, enfeitada com o ouro tirado às custas do sangue, do suor e das lágrimas dos caboclos do Mundo Novo (confira a fachada meio gótica à esquerda e o austero interior à direita).
Além do que, estou lendo um milhão de textos ao mesmo tempo, respondendo à dezenas de perguntas sobre o sistema de governo sueco e até investigando o judaismo, tudo para as provas que farei em breve.
Estou tão mais pra lá do que pra cá que hoje nem fiz nada especial para comemorar mais um aniversário do meu relacionamento com meu urso polar. Estamos “juntos” há quatro anos. Dois anos agridoces passados longe - ele aqui e eu no Rio - e mais dois anos agridoces passados juntos aqui em Boden.

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 22:24

September 19, 2003

Ufa!

Sabe uma coisa que eu adoro? Sextas-feiras. Amém!

Filed under: Vidinha — Maria Fabriani @ 10:24

September 18, 2003

Maligrina

Sabe uma coisa que eu detesto? Quando eu me dirijo a uma pessoa e ela franze o cenho, aperta os olhos e faz aquela expressão universalmente conhecida como ai-o-que-essa-imigrante-está-falando?.
Como, me expliquem por favor, como alguém que nunca me viu antes, nunca ouviu minha voz e não sabe quem eu sou, já parte do princípio que o que vou falar é errado ou complicado, mal explicado, dito com dificuldade e, por conseqüência, difícil de entender? Como???
Isso me irrita demais. Imediatamente perco o fio da meada e minha atitude muda com relação à pessoa. Antes sentia raiva. Hoje, tenho pena dos mais preconceituosos (mas às vezes ainda fico com muita raiva).
Mas agora passei a “me vingar”. Quando encontro uma pessoa assim — o que não é raro, infelizmente — passo a falar mmmmuuuuiiiittttoooo devagar, fazendo todas as entonações tão importantes para a língua sueca. Tudo com calma, como se tivesse todo o tempo do mundo.
E sabe que dá resultado? Hoje aconteceu isso e segui minha “vingança”. No final, a pessoa me disse: “Nossa, como você fala bem sueco!” HAHAHA
Estou com alguns emails na minha caixa postal esperando para serem respondidos. Já já resolvo a questão, ok? Desculpe o atraso. É falta de tempo mesmo.

Filed under: Irritação e ironia — Maria Fabriani @ 22:05

September 17, 2003

Lufa lufa

Não parei hoje. Fisioterapia, aulas, oficina mecânica. Incrível como oficinas mecânicas em todos os países do mundo (conheço as de dois: Brasil e Suécia) respeitam apenas um princípio em suas relações com os clientes: nos tratar como otários. Deve fazer parte do currículo. Aula 1: motores Ford. Aula 2: Freios ABS. Aula 3: Como enrolar o cliente. Se você é imigrante e ainda por cima mulher, eles acham que podem passar por cima numa boa. Merda.
Prenderam um homem suspeito de ter assassinado a ministra do exterior sueca. Tomara que seja ele mesmo. O cara já foi condenado por 48 outros crimes e é uma amostra viva de que o sistema judiciário sueco é uma piada. O cara atacou a própria mãe e roubou o pai, além de fazer parte de grupos neo-nazistas. No entanto, a maior sentença que ele teve de cumprir na cadeia foi de oito meses por grave crime financeiro.
Dor nas costas (sinal de que me excedi), dezenas de textos pra ler. Sorte que sou feliz. :c)

Filed under: Europa & Escandinávia,Vidinha — Maria Fabriani @ 22:11

September 16, 2003

Hoje é aniversário do meu Stefan

Parabéns, meu amor. Grattis äskling.

Filed under: Aniversários — Maria Fabriani @ 07:40
Next Page »
 

Bad Behavior has blocked 429 access attempts in the last 7 days.